Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BRUXELAS

BRUXELAS

O Poder

Com o argumento de que “quanto mais forte o Parlamento Europeu, mais democrática e transparente a União Europeia”, Guy Verhofstad, ex-primeiro minstro belga e candidato falhado ao lugar de Barroso em 2004, anunciou, na sua nova qualidade de líder dos liberais no Parlamento Europeu, que o seu grupo – e os socialistas vão pelo mesmo caminho – não ia permitir a designação de Durão Barroso como presidente de Comissão Europeia já em Julho. A ideia dos governos era nomear Barroso já, mesmo antes do referendo irlandês (entretanto anunciado, com previsto, para antes do fim do ano), para evitar mais tempo morto. A posição do Parlamento reflecte, acima de tudo, um desejo de maior poder. De resto, exactamente como há cinco anos com o episódio Butiglione. Num caso e noutro, o que está em causa é a vontade do Parlamento se reforçar perante a burocracia da Comissão e, sobretudo, perante o Conselho, isto é os governos. O facto de os governos serem fruto de eleições razoavelmente mais participadas do que a eleição europeia, de onde a maioria dos eleitores praticamente deserta, não comove nem diminui o Parlamento, na opinião do próprio. E como o eleitorado não é tido nem achado, também não o move nem comove. O problema desta história é que a “Europa” vai sendo feita numa lugar distante, em negociações nada transparentes, aumentando a sensação dos eleitores de que nada têm que ver com isto. Impor o modelo parlamentar a uma Europa que não é um Estado, é uma comunidade de Estados, é um erro. 

 

No Meia Hora de hoje.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.