Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BRUXELAS

BRUXELAS

Verdes anos

O sector da eco-indústria está a crescer cada vez mais na Europa. Com um nível de produtividade superior ao da indústria de manufactura, emprega cerca de 3.4 milhões de pessoas e transacciona mais que 300 biliões de euros por ano. Continua no entanto a ser pouco lucrativa.

Um estudo encomendado pela Comissão Europeia concluiu que, à excepção de alguns sub-sectores, como a reciclagem e as energias renováveis onde a UE é líder de mercado, a eco-indústria europeia perde em competitividade para a China, que lidera o mercado da energia solar. O estudo conclui também que em termos de veículos híbridos e bio-combustíveis, a UE tem ainda uma posição fraca. No que respeita aos bio-combustíveis, é possível que esta situação se deva à falta de um guia comunitário sobre a sustentabilidade da bio-energia, questão que tem gerado alguma controvérsia.

De forma a tornar o sector mais competitivo o estudo enumera algumas recomendações: a sincronização da aplicação das directivas comunitárias relativas ao sector, bem como do processo de padronização e certificação; a importância do apoio financeiro na promoção de investigação, desenvolvimento e eco-inovação; harmonizar e promover o green-procurement; entre outras.

A economia está a ficar verde. Mas o verde ainda não suficientemente lucrativo. É por aí que a UE há-de ir.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.