Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BRUXELAS

BRUXELAS

Prémios do Horizonte 2020 - Saúde

 

No contexto da nova iniciativa Prémios do Horizonte 2020, a Comissão Europeia abriu o primeiro, de cinco concursos, que aborda um problema especifico na área da saúde.

 

Este concurso vai premiar com 1 milhão de euros, a pessoa ou equipa, que apresente a melhor solução de diagnóstico no local de prestação de cuidados, através de um teste clínico rápido que permita aos serviços hospitalares distinguir entre doentes com infecções do tracto respiratório superior que exijam antibióticos e aqueles que podem ser tratados sem antibióticos, com segurança.

 

As candidaturas podem ser entregues até dia 17 de Agosto de 2016.

 

Prémios do Horizonte 2020

O Horizonte 2020 dispõe de novos instrumentos de financiamento. O mais recente a ser implementado chama-se Prémios do Horizonte 2020. Trata-se de um instrumento piloto de financiamento para a área das tecnologias da informação e da comunicação, com um orçamento de 6 milhões de euros.

 

Este instrumento apresenta um desafio: desenvolver a melhor solução para um problema tecnológico e societal previamente identificado. A melhor solução proposta terá um prémio monetário.

 

Estão previstos 5 concursos:

 

As regras de cada concurso indicarão o que a solução de um projecto vencedor deve ser capaz de demonstrar, sem especificar os meios para lá chegar. Os candidatos têm total liberdade para avançar com a solução mais promissora e eficaz.

 

Uma informação importante, a reter, é que este não é um prémio de reconhecimento para projectos já desenvolvidos.

 

Horizon 2020: Biliões, Inovação, Lobby e Candidaturas

No próximo de 11 de Fevereiro vai realizar-se um evento sobre o Horizonte 2020, o programa europeu dedicado ao financiamento de ideias inovadoras em matéria de saúde, energia, ambiente, transporte, bioeconomia, entre outras. Com grande foco no apoio às PME, o Horizonte 2020 visa apoiar principalmente projectos de cariz tecnológico inovador.

 

O evento do próximo dia 11 decorrerá no Auditório LISPOLIS, entre as 14:00 e as 17:00 e abordará duas questões centrais:

  • Candidaturas: boas prácticas na sua preparação, perspectiva e mindset de avaliação e questões essenciais de propriedade intelectual associadas;
  • Aspectos políticos, lobby e networking.

Pode consultar aqui o programa completo.

 

As inscrições para participação são gratuitas e podem ser feitas por e-mail para geral@lispolis.pt, com indicação do nome, da empresa e dp email de contacto.

 

Fast Track Innovation - Novo instrumento financeiro

 
Fast Track Innovation  é o novo instrumento da Comissão Europeia que financia a inovação em variadas áreas. Os projectos devem abordar os temas dos pilares “Liderança Industrial" e “Desafios Societais", do Horizonte 2020.

 

Este instrumento apoia projectos inovadores, desde a fase de demonstração até à introdução no mercado. Inclui, assim, as fases piloto, bancos de ensaio, sistemas de validação em condições reais, validação de modelos de negócios, investigação pré-normativa e de criação de normas.

 

Destina-se às novas tecnologias em estado avançado de desenvolvimento (TRL6), conceitos, processos e modelos de negócios que necessitam de uma última etapa de desenvolvimento para chegar ao mercado e alcançar uma maior disseminação.

 

Para além das organizações habituais como indústria, universidades, organizações de investigação e tecnologia, a Comissão conta atrair vários tipos de organizações, incluindo as que podem ter um papel importante no processo de comercialização do produto, incluindo PME e novos candidatos do sector industrial.

 

O programa tem um orçamento de 100 milhões de euros e dois prazos intermédios até ao fim de 2015, o primeiro dos quais em 29 de Abril.

 

Novas oportunidades no Horizonte 2020 – Transporte e Energia

A Comissão Europeia publicou cinco convites para apresentação de propostas nas áreas dos Transportes e Energia, no âmbito do programa dedicado à investigação e inovação, o Horizonte 2020, com um orçamento global de 500 milhões de euros.

 

Na área dos Transportes existem dois convites sob o tema “mobilidade para o crescimento” focados em soluções inovadoras e integrantes em vários modos de transporte e com uma forte componentes de tecnologias de comunicação e informação. Um dos convites tem particular ênfase na cooperação transnacional com países europeus e terceiros. Os prazos para a apresentação de candidaturas terminam a 23 de Abril de 2015 (primeira fase) e a 15 de Outubro de 2015 (segunda fase).

 

Na área da Energia existem outros dois convites, sob o tema “energia hipocarbónica competitiva”. Focados em soluções renováveis emergentes e sustentáveis, têm uma forte componente em tecnologias da comunicação e da informação (TIC). O prazo de candidaturas termina em 5 de Maio de 2015.

 

Por fim, o quinto convite lançado trata do tema “cidades e comunidades inteligentes” e visa investir em projectos de demonstração em grande escala de soluções de integração de energia, transportes e sectores das TIC, bem como no desenvolvimento de normas de sistema para este tema. O prazo de candidaturas termina a 5 de Maio de 2015.

Avaliação das empresas europeias em matéria de Investigação & Desenvolvimento

O Painel Europeu sobre o Investimento em Investigação & Desenvolvimento (I&D) Industrial publicou o seu  relatório anual sobre o investimento global das empresas em I&D relativo a 2013.

 

Este documento conclui que o investimento das empresas sediadas na UE cresceu 2,6% em 2013. Este valor corresponde a menos de metade do que em 2012 (6,8%), ficando abaixo da média mundial em 2013 (4,9%) e do crescimento do investimento  das empresas estabelecidas nos EUA (5%) e no Japão (5,5%).

 

Ainda assim, baseando-se numa amostra com as 2 500 maiores empresas ao nível mundial, o relatório indica que as empresas sediadas na UE investiram, em termos relativos, mais do que as sediadas no EUA e no Japão.

 

O relatório ilustra também o grande impacto que a I&D tem na criação de emprego, revelando que as empresas europeias aumentaram o número de colaboradores em 18,2%, em 2013.

 

Na ocasião da apresentação deste relatório, o Comissário Europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas referiu a importância do programa Horizonte 2020 para o tecido empresarial europeu, mencionando também o plano de investimento de 315 mil milhões de euros, apresentado recentemente pela Comissão Europeia e pelo Banco Europeu de Investimento, que contribuirá para mobilizar mais investimento privado para os projectos de maior risco, beneficiando a I&D em toda a Europa.

 

Programa Horizonte 2020 – Fábricas do Futuro

A Fábricas do Futuro (FdF) é uma das oito Parcerias Publico-Privadas criadas pela Comissão Europeia, juntamente com as associações europeias de cada indústria. No caso da FdF, a Comissão Europeia tem como parceira a European Factories of the Future Research Association, que tem como associadas grandes empresas europeias.

 

A FdF pretende financiar projectos inovadores, com valor europeu acrescentado, ligados à reinvenção inteligente dos processos de fabrico e das instalações fabris. Em 2014, esta iniciativa teve sete convites à apresentação de propostas para financiar projectos ligados à eficiência energética e materiais de fábricas.

 

Neste domínio, já abriram mais sete convites à apresentação de propostas, com foco nas tecnologias de informação e telecomunicação. A data limite para a apresentação de candidaturas é 4 de Fevereiro de 2015.

 

Programa Horizonte 2020 – Edifícios Inteligentes

A Comissão Europeia e algumas associações de indústrias uniram-se para abordar as principais questões em áreas de investigação-chave como novos processo de fabrico, métodos de processamento sustentáveis, automóveis sustentáveis e edifícios inteligentes.

 

A Parceria Publico-Privada para os Edifícios Inteligentes, constituída com a European Energy-efficient Building Association, pretende inovar no sector da construção, desenvolvendo tecnologias e soluções de ponta a preços acessíveis e impulsionando as cidades no sentido de se tornarem verdadeiramente inteligentes.

 

Em 2014 houve quatro convites à apresentação de propostas. Para 2015, já abriram outros quatro relativos a temas como ferramentas de design para remodelações, soluções para armazenamento de energia térmica ou soluções completas para a adaptação para edifícios residenciais.

 

Workshop "Oportunidades no Horizonte 2020"

 

A ANJE, em parceria com a Eupportunity, organiza no próximo dia 25 de Novembro um workshop sobre as oportunidades que decorrem da implementação do Horizonte 2020, o programa da União Europeia que financia projectos de investigação e de inovação. Neste workshop serão  abordados assuntos como as principais áreas temáticas que podem ser financiadas e as regras de acesso ao financiamento.

 

O workshop decorre nas instalações da sede nacional da ANJE e já se encontram abertas as inscrições. A participação é gratuita, mas a inscrição é obrigatória.

 

Mais informações e programa aqui.

 

O dinheiro que não usamos*


Carlos Moedas vai ser o Comissário dos fundos europeus que Portugal quase não aproveita. É por isso que esta pasta pode ser tão importante. Temos cinco anos para nos aproximarmos de Bruxelas, destes programas e aprender a concorrer com qualidade. Ou então, Moedas pode até fazer um excelente trabalho, mas continuará a ser tempo e dinheiro perdidos por Portugal.

O Horizonte 2020, é assim que se chama o principal programa que vai gerir, tem 80 mil milhões de euros para investir no apoio à investigação e inovação entre 2014 e 2020. O Comissário português não pode (nem deve, de resto) dar ordens para que um único cêntimo que seja vá para Portugal, empresas portuguesas ou centros de investigação nacionais. Quem acha que Carlos Moedas nos vai mandar dinheiro percebe pouco da Europa e nada destes programas. Tudo depende do trabalho prévio, de haver alinhamento com as prioridades de investigação e inovação da União Europeia (que ajudamos a definir), de conhecer e ser conhecido por bons parceiros, de estar atento, concorrer a tempo e com qualidade. Muito do que em muitos casos não temos feito. E por isso não temos convencido os painéis de avaliação, que são independentes e livres.

No começo do verão encerrou a primeira fase do primeiro concurso do Instrumento PME que financia as Pequenas e Médias Empresas mais inovadoras, com produtos que se mostrem capazes de chegar ao mercado. Tinham sido apresentadas 2.666 propostas e foram seleccionadas 155. Ou seja, uma taxa de sucesso exigente de 6%. Alguns países foram especialmente eficazes, como a Irlanda (o país da actual comissária), com 20% das suas propostas aprovadas; o Reino Unido com 11%; Israel com 10% e os espanhóis, que conseguiram 9% de sucesso. Das 70 propostas que Portugal apresentou, só uma foi seleccionada. Uma taxa de sucesso de 1,43%.

O pior que nos pode acontecer é pensarmos que temos um português em Bruxelas com 80 mil milhões de euros para dar. A vantagem para Portugal de ter um comissário numa pasta assim é perder a distância, o medo e, assumamo-lo, a falta de competências para concorrer e ganhar. Essa aproximação, Carlos Moedas pode, e deve, promover. O resto, como sempre, depende de nós.

 

Henrique Burnay
Senior Partner da Eupportunity

 

* Este artigo foi publicado no Observador.

 

Instrumento PME - As primeiras vencedoras

 

A Comissão Europeia já deu a conhecer os vencedores da fase 1 do novo Instrumento de Apoio às PME, do programa Horizonte 2020.

 

Os peritos independentes avaliaram 2662 propostas, tendo sido seleccionadas 155 PME. Nesta primeira fase, cada empresa receberá 50.000 euros para financiar estudos de viabilidade do projecto apresentado. Nas duas fases posteriores, cada empresa receberá entre 0,5 milhões e 2,5 milhões de euros (até 5 milhões para projectos ligados ao sector da saúde).

 

Em Portugal houve uma empresa vencedora  - STAB VIDA - ligada às áreas da saúde e biotecnologia.

 

Os próximos prazos para novas candidaturas são 17 de Dezembro de 2014 para a fase 1 e 9 de Outubro e 17 de Dezembro de 2014 para a fase 2.

 

Agência executiva para as PME

 

 

A Agência Executiva para a Competitividade e Inovação é agora denominada de Agência Executiva para as Pequenas e Médias Empresas.

 

Esta agência da Comissão Europeia vai ocupar-se da implementação dos seguintes programas de fundos europeus:

- parte do Horizonte 2020 - Programa-quadro de investigação e inovação;

- COSME - Programa para a Competitividade das Empresas e das PME;

- LIFE - Ambiente e Acção Climática;

- parte do Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e da Pesca;

 

Tratará ainda do fecho de projectos financiados ao abrigo dos antigos programas Intelligent Energy Europe e Eco-Innovation.

 

 

Nova agência executiva da Comissão Europeia

 

Apesar de se encontrar em actividade desde o incio de Janeiro, foi oficialmente inaugurada na semana passada a Agência Executiva para a Inovação e as Redes (tradução nossa para Innovation and Networks Executive Agency (INEA)), que substitui a Agência Executiva para as Redes Transeuropeias de Transportes.

 

Esta nova agência da Comissão Europeia vai ocupar-se da implementação do programa Mecanismo Interligar a Europa e de partes do programa Horizonte 2020. Vai também fechar projectos financiados pelos antigos programas Marco Polo e Redes Transeuropeias de Transportes.

 

 

Alerta às empresas que operam na área das ciências da vida

 

Com a finalidade de orientar as PME da área das ciências da vida para que possam beneficiar dos financiamentos no quadro do futuro Horizonte 2020, vai ter lugar no próximo dia 13 de Junho, em Bruxelas, a conferência denominada Are you already prepared for H2020 in the Health sector?

 

Todas as informações relevantes sobre este evento e a ligação para a inscrição online podem ser encontradas aqui.