Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BRUXELAS

BRUXELAS

Agricultura convencional agrada mais à UE

 

 

O Comissário da Agricultura, Dacian Cioloş, em entrevista a um jornal romeno, afirmou que a União Europeia (UE) deve continuar a apostar na agricultura convencional, cuja qualidade e diversidade é bastante superior à oferecida pelos Organismos Geneticamente Modificados (OGM).
Ressalvando que se trata de uma opinião pessoal e que os OGMs são da responsabilidade do colega John Dalli, Comissário da Saúde, Cioloş diz que é a qualidade que mais interessa assegurar e que a UE deve oferecer o melhor aos consumidores europeus.

 

Em Março, a comissão do Ambiente do Parlamento Europeu, expressou que os estados-membros devem ter o direito de restringir ou proibir o cultivo de OGMs no seu território por razões de contaminação das culturas convencionais ou outros factores socio-económicos.

OGMs nas mãos dos Estados-Membros?

 

 

A Comissão Parlamentar do Ambiente deu um primeiro passo no sentido de permitir a cada estado-membro a proibição ou restrição do cultivo de organismos geneticamente modificados (OGM) no seu território.
A proposta da Comissão, agora bem acolhida pelo Parlamento Europeu, permitirá aos Estados-Membros recusarem ou limitarem  o cultivo de OGMs que tiverem sido autorizados a nível da UE, com base noutros fundamentos para além daqueles abrangidos pelo processo de autorização da UE. Segundo Corinne Lepage, a eurodeputada liberal francesa, autora do relatório parlamentar sobre a matéria, no futuro, os impactos agrícolas, ambientais e socioeconómicos relacionados com a contaminação “podem ser utilizados pelos estados-membros como justificação para a proibição ou restrição do cultivo de OGM”.

OGM’s semeiam debates

 

 

 

O debate esta instalado. Com base em que critérios deve a UE restringir ou proibir o cultivo de organismos geneticamente modificados (OGM’s) sobre os quais já há opinião científica.

A comissão parlamentar da agricultura apoia este princípio geral mas exige que a opinião dos agricultores e dos consumidores também seja tomada em conta.

Devido a complexidade e divergências existentes sobre OGM’s a CE lança, a partir de 17 de Março, o primeiro de vários workshops sobre o assunto, de maneira a esclarecer algumas questões.

O primeiro debate será sobre avaliação e gestão dos riscos do cultivo de transgénicos, vai ser liderado pelo comissário da saúde e política do consumidor e com transmissão, em directo, na internet.

OGMs podem ser cultivados

O cultivo de organismos geneticamente modificados (OGM) está em vias de ser liberalizado na UE. O sistema de aprovação actual, com regras restritas e processos de licenciamento demorados, vai ser ultrapassado com a publicação de várias propostas em Julho, dando maior liberdade à Comissão Europeia para aprovar novos tipos de OGM (até agora apenas duas variedades estão aprovadas para cultivo no espaço europeu), e permitindo aos Estados-Membros decidirem a proibição ou aprovação de cultivo de OGMs. Esta solução parece agradar tanto aos Estados-Membros favoráveis aos OGMs, como a Holanda e Espanha, como aos que pretendem banir por completo os OGMs do seu território, como Áustria e Itália. Por cá, se verá.

Culturas geneticamente modificadas

A Comissão Europeia está cada vez mais perto de abrir as portas aos Estados-Membros para que passem a decidir individualmente no que respeita às culturas geneticamente modificadas. Ao existir uma autoridade europeia que monitorize os critérios de segurança e autorize a produção, a decisão de cultivar organismos geneticamente modificados passaria a estar apenas nas mãos de cada Estado.

Esta posição parece ser apoiada tanto pelo Presidente Barroso, como por alguns Estados-Membros, como a Holanda, a Áustria e o Reino Unido, que pretendem desbloquear o processo de autorização para a produção de OGM, tanto para que possam cultivar livremente OGMs, caso da Holanda, como para que possam proibir totalmente a sua produção, caso da Áustria.

Actualmente União Europeia permite a importação de sementes geneticamente modificadas para consumo, mas não para cultivo, o que na opinião de alguns stakeholders é uma situação ineficiente, que apenas prejudica os agricultores europeus, ao desincentivar a produção interna. Por outro lado, outros interessados no processo, alertam para o risco de se criar um precedente no mercado interno europeu: se se permite aos Estados-Membros a decisão acerca dos OGMs o mercado poderá vir a ressentir-se num desequilibro económico.

 

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.