Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BRUXELAS

BRUXELAS

Produtos químicos: inventário de classificação e rotulagem


A Agência Europeia dos Produtos Químicos (ECHA) já disponibilizou o inventário de classificação e rotulagem, que reúne toda a informação registada sobre substâncias químicas produzidas ou importadas pela União Europeia, no âmbito do regulamento REACH.

 

As empresas podem assim aceder aos mais de 3 milhões de registos existentes, que correspondem a mais de 100 mil substâncias químicas identificadas por fabricantes ou importadores.

 

O inventário será regularmente actualizado pela ECHA e incluirá a lista de classificações harmonizadas, que facilitará uma gestão mais eficaz dos riscos associados à produção ou utilização de produtos químicos.

Químicos secretos

 

 

A Agência Europeia dos Produtos Químicos – ECHA – foi processada por dois grupos ambientalistas por não publicar os nomes dos produtores de químicos perigosos. A ChemSec e a ClientEarth dizem que a necessidade de se saber os nomes dos produtores é fulcral para a segurança dos consumidores, já que muitos destes químicos se encontram em produtos do quotidiano, como cosméticos, embalagens e brinquedos. No entanto, a ECHA não está obrigada a publicar informações sobre as empresas produtoras de químicos perigosos, já que estas podem pedir confidencialidade, alegando os perigos para o desenvolvimento de estratégias de mercado e podendo até pôr em causa a inovação do sector.

Lobby ambiental pressiona UE

 

 

A ChemSec, agência de lobby ambiental, está a pressionar a Comissão Europeia (CE) para alargar substancialmente a sua lista de substâncias químicas potencialmente perigosas, das actuais 47 para 378.
Após a adopção em 2006 da directiva REACH (registo, avaliação e autorização de produtos químicos), a CE, através da Agência Europeia das Substâncias Químicas, publicou uma lista de químicos que podem representar riscos para a saúde pública dos cidadãos. Ao figurarem nessa lista, esses químicos passam a ser cuidadosamente monitorizados e estudados, devendo as indústrias procurar alternativas à sua utilização.

A ChemSec pretende que a CE se foque agora nos desreguladores endócrinos, como os ftalatos, que aumentam a flexibilidade e longevidade de plásticos e são utilizados em vários produtos domésticos.

Europa proíbe químicos nocivos

 

 

 


A Comissão
Europeia quer proibir o uso e comercialização de mais seis químicos, dentro dos próximos 3 a 5 anos, pelas suas propriedades cancerígenas, tóxicas ou pela durabilidade e resistência.

Assim, segundo o regulamento sobre o registo, avaliação, autorização e restrição (REACH), estas substâncias passarão para a lista de compostos proibidos.

As empresas que queiram usar estes químicos terão de provar que o fazem em ambiente controlado ou que há benefício para a sociedade.

 

As substâncias em causa são: 5-ter-butyl-2,4,6-trinito-m-xylene, 4,4'-diaminodiphenylmethane, hexabromocyclododecane, bis phthalate, benzyl butyl phthalate e dibutyl phthalate.

 

Empresas francesas vão falhar prazo para as REACH

 

 

 

 

A União Europeia obriga a que todas as empresas de produtos químicos registem as substâncias mais perigosas e as que usam com mais frequência.

 

A regulação que impõe esta medida dá pelo nome de REACH que significa Registo, Avaliação e Autorização de Produtos Químicos e o prazo para actualizar as substâncias nesta base de dados acaba a 30 de Novembro.

 

Este imperativo foi há muito publicitado, no entanto, as empresas francesas parecem ter feito vista grossa ao assunto com a justificação de não saberem que estas regulação afectava território francês. Apesar da surpresa com a justificação, fica a pergunta: e as empresas portuguesas, já registaram as substâncias que deviam?

REACH. Prazos para registrar as químicos mais usados ou mais perigosos termina a 30 de Novembro.

Por força das regras impostas pelo regulamento REACH, as empresas terão de registar os químicos mais usados e também os mais perigosos até 30 de Novembro.

 

Segundo o Comissário para o Ambiente, Janez Potocnik, a indústria europeia de químicos deve ser sustentável. Como tal, o Comissário vê este registo como uma oportunidade para aumentar e desenvolver a competitividade, inovação e criação de empregos numa Europa mais limpa e saudável.

 

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.