Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BRUXELAS

BRUXELAS

OPEN DAYS - Semana Europeia das Regiões e Cidades

logoOD2014-3-variations-on-white-3-576x308.jpg

 

Entre 6 e 9 de Outubro reuniram, em Bruxelas, cerca de 6000 representantes das regiões e das cidades da Europa na 12.ª sessão anual dos OPEN DAYS - Semana Europeia das Regiões e Cidades, organizados conjuntamente pela Comissão Europeia e pelo Comité das Regiões.

 

O objectivo dos OPEN DAYS é a apresentação de projectos de excelência e de boas práticas em desenvolvimento regional e urbano e em como tornar a Política de Coesão numa realidade para a criação de emprego e crescimento na UE.

 

Com um orçamento total de cerca de 352 mil milhões de euros para o período financeiro de 2014-2020, pretende-se que a Política de Coesão seja central na execução das prioridades tais como a inovação, o apoio às PME, a melhor qualificação dos cidadãos, a inclusão social e a transição para uma economia hipocarbónica.

 

Consulta pública sobre o regime POSEI para as regiões ultra-periféricas da UE

 

A agricultura das regiões ultraperiféricas (RUP) da União Europeia beneficia de medidas específicas de apoio cujo objectivo é compensá-las dos condicionalismos ligados à sua situação geográfica (garantia do abastecimento de bens essenciais e apoio à produção agrícola local). Aquele conjunto de medidas é designado por regime POSEI (Programas de Opções Específicas para fazer face ao Afastamento e à Insularidade).

 

A Comissão Europeia lançou uma consulta pública sobre o regime POSEI, mais precisamente sobre a eficácia das suas medidas no contexto da recente reforma da política agrícola comum. O objectivo é uma futura revisão daquele regime.

 

Todas as partes interessadas, em particular os cidadãos, organizações e autoridades das regiões ultraperiféricas (em Portugal: Açores e Madeira) poderão responder a esta consulta. Até ao dia 12 de Novembro de 2013.

 

Comissão apresenta plano para as regiões ultraperiféricas

 

No passado dia 20 de Junho, a Comissão Europeia lançou um plano que visa o desenvolvimento das regiões ultraperiféricas (RU) europeias, compostas pelas regiões autónomas dos Açores e Madeira, as Ilhas Canárias, Guadalupe, a Guina Francesa, Reunião, Martinica e Saint Martin.

 

Estas regiões têm um estatuto especial originado pelo seu isolamento, insularidade, pequena dimensão, topografia e clima desfavoráveis e dependência económica em alguns produtos.

 

Prevê-se, para combater estas dificuldades, o desenvolvimento dos transportes, da energia e das tecnologias de informação e comunicação, como forma de reduzir o isolamento; o investimento e a inovação, para aumentar a competitividade; o fortalecimento das relações económicas com os seus vizinhos geográficos e o melhoramento das qualificações e condições de vida das populações.

 

A Comissão planeia também apostar nas áreas de maior potencial das RU, sendo estas a agricultura, a pesca, as energias renováveis, a investigação espacial e climática, a astrofísica e o turismo.

 

Espera-se, com estas medidas, assegurar a integração destas regiões no mercado único e nos respectivos mercados geográficos.

Relatório Solbes sobre o futuro das regiões ultraperiféricas e o mercado único

 


Foi ontem apresentado publicamente um estudo sobre o papel das regiões ultraperiféricas (RUP) no mercado único, encomendado pelo comissário Michel Barnier ao ex-comissário europeu e ex-ministro espanhol Pedro Solbes Mira.

 

Segundo o estudo, as particularidades comuns das RUP nem sempre são plenamente tidas em conta nas políticas europeias, de onde resultam disfuncionamentos no modo como aquelas regiões participam no mercado único.

 

Para obviar a esta situação, o relatório Solbes contém 22 recomendações estreitamente ligadas aos grandes eixos do acto para o mercado único cujo objectivo é a consolidação do acervo das medidas já adoptadas a fim de compensar as desvantagens estruturais das RUP. O relatório propõe igualmente a elaboração de um plano de acção que permita às RUP melhor explorar os respectivos trunfos e adaptar-se aos novos desafios ao abrir-se mais aos sectores com forte valor acrescentado (incluindo os sectores tradicionais), apoiando, ao mesmo tempo, a inovação, de modo a poder contribuir para a realização dos objectivos da Estratégia 2020.

 

A Comissão deve agora preparar uma comunicação apresentando uma nova estratégia para as RUP.

 

Nota: o conceito de RUP abrange as regiões autónomas dos Açores e da Madeira.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.